Tudo o que o coração me disser!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Objectos com duas pernas…

Cada vez que ouço casos de mulheres que foram usadas, traídas e magoadas por homens sem escrúpulos fico evidentemente triste. Triste pela falta de sensibilidade de alguns homens, pela falta de auto-estima de algumas mulheres, por alguns contornos sórdidos de histórias que nunca tiveram nada para dar certo.
Em alguns casos revejo-me na pele de algumas, outras penso que dificilmente me sujeitaria a tal situação…
No entanto, o último caso que ouvi, mexeu muito mais do que o normal com a minha revolta.
A pessoa em questão vive uma relação em que sabe que é usada apenas como meio de satisfação sexual do companheiro, e assume que efectivamente não o ama. Acredito, apesar de tudo, que existam pessoas que se sintam confortáveis neste tipo de situações, que saibam lidar com a falta de sentimento e a troca de favores – eu não estou sozinha e tu não tens falta de sexo!

A situação acabaria aqui… não foi esta descrição que acabou por me chocar!

O que mais me meteu confusão foi saber que a mesma rapariga que aceita ser usada, aconselha um amigo a lidar com as mulheres usando os mesmos moldes em que ela própria está – Se estiveres com uma mulher num dia, não lhe ligues no dia seguinte. Ela vai ficar triste a achar que a usas-te. Mas depois quando voltares a ligar, ela vai ficar muito contente e volta a querer estar contigo. Enquanto se a tratares bem ela cansasse de ti!
Agora eu pergunto, que mulheres são estas que gostam de ser tratadas como objectos? Que vão impondo a homens ideias erradamente generalistas sobre os sentimentos do sexo oposto? Terão elas legitimidade para se lamentarem por serem usadas?

Imagem retirada da Internet

8 comentários:

eu-sou-eu disse...

Também me faz confusão como aceitam ser tratadas assim... E como ainda aconselham outros a agir de igual forma.
Opá, se não gostarem um do outro e for só sexo, epá, cada um sabe de si. Mas andarem a dizer isso "com orgulho" é muito mau --'

Gasper disse...

Sinceramente acho que passa tudo por uma grande falta de auto-estima! E pior são os conselhos ridículos que são dados! Convencem os inseguros que têm de mudar e que já é uma sorte terem o que têm. Se as pessoas aprendessem a estar felizes primeiro sozinhas, viam uma relação como uma partilha de felicidade e não uma razão de viver. (Estou revoltada hoje ahaha)

BlackRaven disse...

Ontem, hoje e amanhã... O receio será sempre o mesmo, definhar na solidão, não ter quem nos estenda a mão. Será que há "um preço a pagar"? Será que esta dita relação atenua a dor da solidão? Na minha cabeça e no meu coração, nada disto faz sentido. Razão e sentimento, nem um nem outro justificam o que eu chamo de ilusão, de falso conforto.Na minha mente visualizo alguem que tenta sair de um buraco, e entra num abismo... Dor e revolta... e eu pergunto : "Onde está o Amor?"

Ritinha disse...

Ui isso comigo não resultava de certeza, e ela tem de ter uma auto-estima muito baixa para pensar que só há aquele homem à face da terra, porque se não pensasse isso certamente não andava com ele por favor! Quanto aos conselhos dela entristece-me enquanto mulher, o que vale é que nem todas as mulheres são como ela, nem todos os homens são como ele!

Raven disse...

Há muito essa teoria de que a mulher se farta se for bem tratada. Eu acho que a confusão está no termo ser bem tratada. É que isso não significa ter um homem disponivel 24h para nos satisfazer em tudo. Isso não é tratar bem, é ser um cãozinho chato. O homem a sério é aquele que defende os seus valores, ainda que impliquem brigar connosco mas que no fim nos abraça e nos dá um beijo na testa. E mulheres que falam dessa forma só tentam esconder o vazias e tontas que são.

Poison disse...

#eu-sou-eu
Eu até aceito que ela se sinta bem na situação que está. Não somos todos iguais e cada um é feliz a sua maneira. O que mais me chateia é a ideia errada que é dada em relação às mulheres.

#Gasper
Revolta-te, lol...
Tens razão, não só é falta de auto-estima como a necessidade de criar uma ideia errada, em que ela pode acreditar, mas outras pessoas não.

#BlackRaven
O falso conforto leva a ilusões que mais cedo ou mais tarde acabam. Quem vive em mundo ilusórios não consegue enfrentar a realidade, e revela-se a falta de auto-estima evidente neste caso. Deixa para os outros a decisão do rumo da sua vida.
E o medo é um sentimento que abafa todos os outros, até o amor!

#Ritinha
Eu não sei bem quem é que anda a fazer um favor a quem, se ela a ele pelos favores sexuais ou se ele a ela por não a deixar sozinha... Mas não me parece que este tipo de relações façam bem a alguém.
Eu quero acreditar que um homem inteligente saiba que as mulheres não são assim, e que a falta de auto-estima numa mulher a torna simplesmente um objecto sem vontade própria.

#Raven
Tens razão no que dizes, ninguém que um cãozinho, nem um crocodilo. O meio termo é o ideal.
E obviamente que um homem que nos mostre as suas perspectivas e as defenda são mais estimulantes. E acho que o contrario, no caso dos homens, também se aplica.

Sérgio Saraiva disse...

Comentário atrasado. Epá, este é de longe o tema mais popular na blogosfera a seguir aos posts sobre sapatos de mulher.
Para mim o tema é muito mais complicado do que pode parecer à primeira vista. Se perguntarem a um grupo de mulheres, aquilo de que gostam e querem num homem a maioria vai dizer coisas à volta de: "romântico, sensível, carinhoso, inteligente, delicado, cavalheiro, nham nham nham..."; mas depois o que se vê é elas apaixonarem-se por homens que não raras as vezes são o completo oposto de tudo daquilo que dizem que as atrai e querem num homem (onde é que já viram isto antes?). Eu, sem ser especialista, apenas observador, acho que racionalmente pensam uma coisa, mas na hora da verdade são os instintos animais primários que falam mais alto e se sobrepõem, e esses não ligam muito a romantismos e afins. E isto não é ser-se bom ou ser-se mau, é apenas aquilo que somos. O problema é que depois no longo prazo estas incompatibilidades vêm ao de cima, e lá temos mais um relacionamento a acabar mal: "não sei como é que foi possível alguma vez gostar de alguém tão insensível, nham nham nham" (onde é que já viram isto antes?). Quanto à questão de que se é suposto mimar muito a mulher, ou se com isso ela fica habituada e depois já não liga. Epá... Eu acho que cada um deve ter momentos para si próprio. De resto é outra das questões que não me parece nada óbvia, e claro, entre aquilo que se diz e aquilo que depois acontece... Não sei a resposta...

Poison disse...

#Sérgio Saraiva
Concordo que existam mulheres se contradigam nas escolhas que dizem defender, que coloquem os instintos mais primários à frente de tudo. O que é certo é que uma relação não vive só desses instintos, vive de muito mais, e obviamente que muitas só pensas no presente e se esquecem do futuro.
Aquilo que mais me revolta neste tema não é a escolha da pessoa em questão, cada um sabe de si e dos medos que a atormentam. O que não é correcto é passar uma ideia errada e generalista, porque muitos homens vão achar que só tratando mal o sexo o posto é que passam a resolver o seu problema de solidão, acabando assim por se tornar personagens e não eles mesmos.
Que algumas mulheres gostem dos "feios, porcos e maus" tudo bem, agora que queriam que todos sejam assim é outra.
Nem um homem nem uma mulher devem ser os brinquedos e os cachorrinhos de ninguém. Mas na verdade devem ser poucas as mulheres que prefiram homens determinados, lutadores, mas com a parte do respeito e carinho vincadas. E para isso não é necessário cair nem num extremo nem no outro.

Já agora, bem vindo. E voltem sempre (com a certeza que aqui não se fala de sapatos) ;)